Morros do Rio, resquícios de Canudos
2010-12-18 10:57:01

Nota do editor do portal Nova Era - O texto a seguir, publicado originalmente na revista Carta Capital, demonstra como a pesquisa histórica pode explicar muitas das dificuldades que passamos no Planeta. Além disto, pode ser transformada em objeto de estudo sob varios aspectos da doutrina espírito, com ênfase na reencarnação e nas leis inerentes a ela. Como nos traz Kardec no Livro dos Espíritos. " A doutrina da reencarnação, que consiste em admitir para o homem muitas existências sucessivas, é a única que corresponde a idéia da justiça de Deus, com respeito aos homens de condição moral interior; a única que pode explicar o nosso futuro e fundamentar as nossas esperanças, pois oferece-nos o meio de resgatarmos os nossos erros através de novas provas. A razão assim nos diz, e é o que os Espíritos nos ensinam."

 

Por Elias Botelho

Em 05 de outubro de 1897 foram mortos os últimos defensores do arraial de Canudos na Bahia. O Estado naquela ocasião resolveu também pôr fim na comunidade que aparentemente se insurgia contra a soberania da recém-criada República. O massacre contra a vida de miseráveis, foi sem dúvidas, uma das maiores barbáries patrocinadas pelo Estado.

O desconhecimento acerca do que muitos chamavam de jagunços e fanáticos, liderados por Antônio Conselheiro, levou o então presidente (im) Prudente de Morais a autorizar o fuzilamento de uma comunidade estimada em mais de quinze mil pessoas. Sem dados concretos sobre os reais propósitos do Conselheiro e seus seguidores, pobres e sem terra, a facção mais radical do partido Republicano se declarou a favor da eliminação de Canudos como sendo um grande mal para República.

Não fosse o respeitado repórter do jornal do Estado de São Paulo, Euclides da Cunha, teríamos como verdade aquilo que membros da república quiseram demonstrar para o resto do país e do mundo. No seu brilhante relato sobre o que chamou de guerra, o escritor chegou a conclusão de que em vez do governo ter mandado soldados para extirpar ignorantes, deveria enviar educadores para ensinar aquele povo, ou seja, transformar analfabetos e excluídos em pessoas civilizadas, capazes de progredirem para sobreviverem dignamente.

O Massacre acabou e os milhares de soldados foram enviados ao Rio de Janeiro pelo Governo que lhes prometera doar casas além de pagar os soldos atrasados. Sem condição de arcar rapidamente com o acordado, esses soldados ocuparam os pés dos morros cariocas, que seriam provisórios, e por lá permaneceram. Dessa ação, depreende-se que o governo exterminou pobres que viviam num lugar quase que inóspito e trouxe os seus “algozes” para formar outra comunidade de miseráveis sem nenhum planejamento.

Logo, soldados e ex-escravos transformaram os morros num amontoado de casas irregulares formando as conhecidas favelas, em referência ao “Monte da Favela”, existente em Canudos como narrou Cunha em Os Sertões: “O monte da Favela, ao sul, empolava-se mais alto, tendo no sopé, fronteiro à praça, alguns pés de quixabeiras, agrupados em horto selvagem. À meia encosta via-se solitária, em ruínas, a antiga casa da fazenda…”

Os anos se passaram e nenhuma política satisfatória foi implantada capaz de conter as invasões de outros morros de forma organizada, que pala situação geográfica de ambos, serviu de esconderijos aos que pela sorte, ou por opção, acabaram engrossando a fileira do que o Estado por suas leis denominaram delinqüentes.

Hoje totalmente povoados, e depois de décadas tirando o sono de estudiosos, políticos, polícias e os que neles residem. Cada qual com sua opinião acerca do problema ali existente e sem uma solução unânime, o Estado, coagido pela opinião pública e ações de “traficantes”, resolve pôr fim na situação. Simetricamente, Becos, Ruelas e Vielas foram tomados por homens armados sob olhares diversos.

28 de novembro de 2010, domingo de manhã, 113 anos depois do massacre de Canudos, várias emissoras de rádio e TV deram cobertura total à mega-operação de ocupação do complexo do Alemão. Imaginei, de logo, isso não vai ser bom… Sim, uma grande emissora trancar sua programação normal, para focar em outro assunto fora de sua grade, deve ser algo no seu sentir, sensacional e de indubitável repercussão. No entanto, para muitos, a cobertura televisa foi “positiva”, pois acabou servindo, pelo menos, para livrar os supostos traficantes de um massacre quando estes partiram em retirada do Morro do Cruzeiro para o Morro do Alemão.

Antes do começo da ocupação, confesso que me bateu uma angustia, imaginava como em Canudos: homens tombando, sangue jorrando, uma carnificina e, o pior, ao vivo. Para alegria de muitos, o bom senso prevaleceu. Alguns tiros, apenas… Até porque não existe “guerra” sem som de tiros, bombas e outros artefatos.

Acalmado tudo, passamos a ouvir das autoridades governamentais, o sucesso e as glórias por ter finalmente o bem vencido o mal. De outro lado, analistas, comentaristas e especialistas em segurança pública davam suas opiniões que nem sempre coincidiam com tais autoridades. Uns acham que tal operação não passou de uma farsa que impedirá momentaneamente conflitos entre grupos criminosos. Outros afirmam que a maior causa da violência urbana é a corrupção policial e as milícias. Outros questionavam a legalidade das incursões aos morros, ante as denuncias dos seus moradores sobre agressões sofridas por policiais.

Por tudo que ocorreu na ocupação do Complexo do Alemão, temos sempre a considerar que pessoas trabalhadoras e honestas que vivem nessas localidades merecem verdadeira tranqüilidade, e não uma farsa. Que não ouçamos mais falar no “chamado poder paralelo” que determina horários e cobra pedágios. E, mais do que nunca, o Estado que por inconseqüência, há mais cem anos, abandonou à própria sorte seus servidores (soldados combatentes de Canudos) aos pés dos morros, que resgata agora, a dignidade que não teve quando inventou uma guerra em nome de uma facção política, em detrimento de pobres miseráveis.

Publicado originalmente:
http://www.cartacapital.com.br/sociedade/morros-do-rio-resquicios-de-canudos

Foto de capa:
http://www.ofca.com.br/ofcaimagens/details.php?image_id=69&sessionid=296ef850ca196ae0d183e64a2dbeafe2

  Mooji: “não perca tempo, você não tem que ficar o resto da vida procurando”

  O Inconsciente é o divino

  Isha Upanishad: “Todo medo é, na realidade, uma rejeição à (sensação de) limitação”

  Panteísmo e panenteísmo: distinção necessária

  Deus e a Beleza

  “É absolutamente seguro morrer".

  As Manifestações Sociais e o Homem de Bem

  O que vi no plano astral nas passeatas de BH

  Protestos sinalizam nova fase da humanidade

  O Espírita e as questões sociais

  Maioridade penal? Pela ampliação da maioridade moral!

  25 momentos que restauraram nossa fé na humanidade esse ano.

  Menos é mais

  O Papa Francisco, chamado a restaurar a Igreja

  Como seria estar por trás dos olhos de um autista?

  Ágora – Hipátia morta pelo fanatismo

  As lições de Hipátia de Alexandria para os espíritas

  A Mente Mais Estável do Mundo - Dadi Janki

  Um "rei" menor, que mata animais indefesos

  O crucifixo nos tribunais

  Abate Humanitário - Desfazendo Ilusões

  Redefinindo o que é um Lider

  RAS TAFARI

  O amor incondicional contra a intolerância

  Colunista que associou pobres aos acidentes de trânsito é demitido do Grupo RBS

  Repartição pública não é lugar de crucifixo

  Homossexuais poderão realizar reprodução assistida em laboratório para ter filhos

  Trânsito - Faça sua parte

  O encanto e os riscos do Ano Novo

  Morros do Rio, resquícios de Canudos

  Filme "Nosso Lar" bate marca de um milhão de espectadores

  Stephen Hawking: "Há vida extraterrestre, mas devemos ignorá-la"

  Os 10 metros que envergonham

  Sete dicas para combater a depressão sem custo nem remédios

  Nelson Xavier viverá o médium Chico Xavier no cinema

  Homossexualidade e outros pecados...

  Crise de humanidade





 Publicado em: 2010-12-18 por admin, última modificação em: 2011-01-03 por admin