Crise de humanidade
2008-11-13 15:00:01

Leonardo Boff

A crise econômico-financeira, presivísvel e inevitável, remete a uma crise mais profunda. Trata-se de uma crise de humanidade. Faltaram traços de humanidade minimos no projeto neoberal e na economia de mercado, sem os quais nenhuma instituição, a médio e longo prazo, se agüenta de pé: a confiança e a verdade. A economia presupõe a confiança de que os impulsos eletrônicos que movem os papéis e os contratos tenham lastro e não sejam mera matéria virtual, portanto, fictícia. Pressupõe outrossim a verdade de que os procedimentos se façam segundo regras observadas por todos. Ocorre que no neoliberalismo e nos mercados, especialmente a partir da era Thatcher e Reagan, predominiou a financeirização dos capitais. O capital financeiro-especulativo é da ordem de 167 trilhões de dólares, enquanto o capital real, empregado nos processos produtivos (por volta de 48 trilhões de dólares anuais).

Aquele delirava na especulação das bolsas, dinheiro fazendo dinheiro, sem controle, apenas regido pela voracidade do mercado. Por sua natureza, a especulação comporta sempre alto risco e vem submetida a desvios sistêmicos: à ganância de mais e mais ganhar, por todos os meios possíveis.Os gigantes de Wall-Street eram tão poderosos que impediam qualquer controle, seguindo apenas suas próprias regulações. Eles contavam com as informação antecipadas (Insider Information), manipulavam-nas, divulgavam boatos nos mercados, induziam-nos a falsas apostas e tiravam dai grandes lucros. Basta ler o livro do mega-especulador George Soros A crise do capitalismo para constatá-lo, pois ai conta em detalhes estas manobras que destroem a confiança e a verdade. Ambas eram sacrificadas sistematicamente em função do ganância dos especuladores. Tal sistema tinha que um dia ruir, por ser falso e perverso, o que de fato ocorreu.

A estratégia inicial norte-americana era injetar tanto dinheiro nos “ganhadores”(winner) para que a lógica continuasse a funcionar sem pagar nada por seus erros. Seria prolongar a agonia. Os europeus, recordando-se dos resquícios do humanismo das Luzes que ainda sobraram, tiveram mais sabedoria. Denunciaram a falsidade, puseram a campo o Estado como instância salvadora e reguladora e, em geral, como ator econômico direto na construção na infra-estutura e nos campos sensíveis da economia. Agora não se trata de refundar o neoliberalismo mas de inaugurar outra arquitetura econômica sobre bases não fictícias. Isto quer dizer, a economia deve ser capítulo da política (a tese clássica de Marx), não a serviço da especulação mas da produção e da adequada acumulação. E a política se regerá por critérios éticos de transparência, de equidade, de justa media, de controle democrático e com especial cuidado para com as condições ecológicas que permitem a continuidade do projeto planetário humano.

Por que a crise atual é crise de humanidade? Porque nela subjaz um conceito empobrecido de ser humano que só considera um lado dele, seu lado de ego. O ser humano é habitado por duas forças cósmicas: uma de auto-afirmação sem a qual ele desaparece. Aqui predomina o ego e a competição. A outra é de integração num todo maior sem o qual também desaparece. Aqui prevalece o nós e a cooperação A vida só se desenvolve saudavelmente na medida em que se equilibram o ego com o nós, a competição com a cooperação. Dando rédeas só à competição do ego, anulando a cooperação, nascem as distorções que assistimos, levando à crise atual. Contrariamente, dando espaço apenas ao nós sem o ego, gerou-se o socialismo despersonalizante e a ruína que provocou. Erros desta gravidade, nas condições atuais de interdepedência de todos com todos, nos podem liquidar. Como nunca antes temos que nos orientar por um conceito adequado e integrador do ser humano, por um lado individual-pessoal com direitos e por outro social-comunitário com limites e deveres. Caso contrário, nos atolaremos sempre nas crises que serão menos econômico-financeiras e mais crises de humanidade.

Leonardo Boff é teólogo e professor emérito de ética da UERJ.

  Mooji: “não perca tempo, você não tem que ficar o resto da vida procurando”

  O Inconsciente é o divino

  Isha Upanishad: “Todo medo é, na realidade, uma rejeição à (sensação de) limitação”

  Panteísmo e panenteísmo: distinção necessária

  Deus e a Beleza

  “É absolutamente seguro morrer".

  As Manifestações Sociais e o Homem de Bem

  O que vi no plano astral nas passeatas de BH

  Protestos sinalizam nova fase da humanidade

  O Espírita e as questões sociais

  Maioridade penal? Pela ampliação da maioridade moral!

  25 momentos que restauraram nossa fé na humanidade esse ano.

  Menos é mais

  O Papa Francisco, chamado a restaurar a Igreja

  Como seria estar por trás dos olhos de um autista?

  Ágora – Hipátia morta pelo fanatismo

  As lições de Hipátia de Alexandria para os espíritas

  A Mente Mais Estável do Mundo - Dadi Janki

  Um "rei" menor, que mata animais indefesos

  O crucifixo nos tribunais

  Abate Humanitário - Desfazendo Ilusões

  Redefinindo o que é um Lider

  RAS TAFARI

  O amor incondicional contra a intolerância

  Colunista que associou pobres aos acidentes de trânsito é demitido do Grupo RBS

  Repartição pública não é lugar de crucifixo

  Homossexuais poderão realizar reprodução assistida em laboratório para ter filhos

  Trânsito - Faça sua parte

  O encanto e os riscos do Ano Novo

  Morros do Rio, resquícios de Canudos

  Filme "Nosso Lar" bate marca de um milhão de espectadores

  Stephen Hawking: "Há vida extraterrestre, mas devemos ignorá-la"

  Os 10 metros que envergonham

  Sete dicas para combater a depressão sem custo nem remédios

  Nelson Xavier viverá o médium Chico Xavier no cinema

  Homossexualidade e outros pecados...

  Crise de humanidade





 Publicado em: 2008-11-13 por admin, última modificação em: 2011-01-03 por admin