O espírita e a cultura
2007-04-10 12:54:07

O Espírita tem o dever de instruir-se, de integrar-se na cultura do seu tempo. O Espírito da Verdade trouxe-nos um mandamento novo, ao declarar: Espíritas, amai-vos, eis o primeiro ensinamento; instruí-vos, eis o segundo. Kardec, por sua vez, ensinou-nos que o Espiritismo se relaciona com todas as ciências, e que só lhe foi possível aparecer, depois que elas se desenvolvem no mundo.

A antiga lei, a do Velho Testamento, era a lei da justiça, dura e fria como a espada. Por isso, a Bíblia está cheia de matanças, ordenadas pelos próprios profetas. A lei renovadora do Cristo, que modificou o mundo e ainda hoje continua a transformar os nossos corações endurecidos, era a lei do amor. A nova lei, que nos veio com a Nova Revelação, com o Espiritismo, é a lei da instrução. Pois não é o Espiritismo o nosso grande instrutor, aquele que nos lembra os ensinos evangélicos, que no-los explica, que nos ensina de onde viemos, para onde vamos e porque estamos na Terra? Não é o Espiritismo que nos consola em nossas dores e em nossos desesperos, não por uma vaga promessa, mas pelo conhecimento do nosso destino?

O ensinamento do Espírito da Verdade, a que acima nos referimos, está no capítulo "O Cristo Consolador", de "O Evangelho Segundo o Espiritismo". O ensinamento de Kardec, sobre a relação do Espiritismo com as ciências, está no primeiro capítulo de "A Gênese". Aconselhamos a leitura de ambos, juntamente com este capítulo, para melhor e mais ampla compreensão do problema. Porque há espíritas que ainda não compreenderam quase nada do Espiritismo, e apesar de nele se encontrarem há vinte, trinta ou mais anos, continuam a pensar que não precisam instruir-se. "Para mim, basta a fé", dizia-nos um desses irmãos, que fechava os olhos diante da luz da Nova Revelação.

A fé, como todos sabemos, é uma necessidade. Um homem sem fé é uma criatura inútil. Nisso, também, Kardec tem muito para nos ensinar, mostrando-nos que existe a fé humana e a fé divina. Os próprios descrentes devem ter fé em alguma coisa, se quiserem ser úteis. Mas não podemos esquecer que a fé espírita não é cega, não é imposta pelos outros, não deve prevalecer apesar do absurdo em que por acaso se apoiasse. Não, nada disso. A fé espírita, como a definiu Kardec, é a fé raciocinada, ou seja, a fé iluminada pela razão. E de que luzes disporá a razão, para com ela iluminar a fé, se não tivermos instrução? A luz natural, apenas, é insuficiente para enfrentar os numerosos e complexos problemas que a descrença ilustrada do nosso tempo levanta, sem cessar, contra o Espiritismo e contra todas as formas de fé.

Claro que o espírita não precisa tornar-se um sábio. Bom seria que todos o pudessem, mas isso é impossível e seria contrário à própria lei de evolução. Cada um de nós tem o seu rumo evolutivo a seguir, na fase em que nos encontramos. Mas, se o espírita não precisa ser sábio, também não deve ser ignorante. Como vai ele sustentar a sua fé, e com ela auxiliar os que sofrem a cegueira do ateísmo, do materialismo, ou mesmo da simples dúvida? Com artigos de fé, ninguém mais convence ninguém da verdade espiritual. Estamos na idade da razão, na fase racional da evolução humana. Temos de alicerçar a nossa fé no conhecimento, se quisermos que ela seja uma luz para todos, e não apenas uma lamparina de uso particular.

Assim, vemos que o mandamento do Espírito da Verdade: "instruí-vos", está diretamente ligado ao mandamento de cristo: "amai-vos". Pois, se nos amamos, é claro que desejamos a salvação da fé para todos, e conseqüentemente não podemos fechar-nos em nossa cômoda ignorância, nessa beatitude da ignorância, que caracterizou tantos beatos do passado. Não há lugar para beatos no Espiritismo. Os que nele quiserem permanecer deverão instruir-se, libertando-se de suas falsas idéias, de seus conceitos antiquados, de seus erros. Sem instrução não podemos cumprir o mandamento do amor ao próximo e do amor a Deus. Pois como amar a Deus sem compreendê-lo, sem Ter idéia da sua grandeza e da sua natureza inteligente? E como amar ao próximo sem ajudá-lo a instruir-se, a esclarecer-se, a libertar-se das superstições, das mentiras, dos falsos juízos?

Todo espírita pode e deve instruir-se. Cada coisa vem a seu tempo, e portanto de acordo com a sua época. Na Antigüidade bíblica, os meios de instrução eram quase nulos e os conhecimentos muito reduzidos. Deus nos mandou então a lei fria da justiça, e por ela o profeta Elias fez passar a fio de espada os sacerdotes inimigos. No tempo de Jesus, num mundo mais evoluído, em que o homem se beneficiava com maior conhecimento e mais ampla compreensão das coisas, Deus nos mandou a lei ardente do amor, e os apóstolos a ensinaram a todos os povos, dando seu suor, seu sangue e sua vida por amor a todos. Nos tempos atuais, após o chamado século XVIII, Deus nos manda a lei de instrução, e os espíritas devem cumpri-la, para ajudar a Terra a subir na Escala dos Mundos. Hoje, a instrução se difunde na Terra por todos os meios, e o espírita só não se instruirá se não quiser.

É evidente que cada qual tem a sua própria medida. Uns poderão instruir-se mais, outros, menos. Uns terão grandes possibilidades e chegarão até as cátedras da sabedoria mundana, para iluminá-las com a sabedoria divina do Espiritismo. Outros disporão de pequenas possibilidades, e aprenderão o suficiente para ensinar aos que sabem menos. As instituições espíritas, por sua vez, devem tornar-se verdadeiras casas de instrução, não apenas evangélica e doutrinária, mas de cultura geral. Os Centros podem manter escolas superiores e fundar Universidades. Porque a Universidade Espírita é a nova luz que deve raiar no mundo da cultura.

Muitos dizem que não devemos criar uma espécie de cultura isolada, através de escolas que separem os espíritas dos outros. Mas a escola espírita não será nem poderá ser sectária. Será a escola de todos, oferecendo a todos a nova cultura que o Espiritismo vem implantar na Terra. As escolas do mundo, como sabemos, ensinam o materialismo, ao lado do dogmatismo religioso. Difundem conhecimentos e superstições em mistura, semeando o ateísmo. A essa cultura que leva à cegueira espiritual é que os espíritas devem confiar os seus filhos e as gerações futuras? Não. É dever dos espíritas, como foi dever dos judeus no seu tempo e dever dos cristãos no seu tempo, criar uma nova modalidade de instrução e preparar o mundo para uma nova cultura. E isso só pode ser feito através da escola espírita, que não desvirtuará o conhecimento humano em favor do materialismo ou do dogmatismo religioso, mas o iluminará com a verdadeira luz do conhecimento espiritual.

A enorme facilidade de difusão da cultura, que caracteriza o nosso tempo, pode ser um meio de envenenar e perverter gerações, como aconteceu em vários países, levados à desumanização e à brutalidade, diante dos nossos olhos, ou pode ser um meio de esclarecer e orientar gerações, como faz o Espiritismo com os que dele se aproximam. Teremos o direito de deixar que se processe o envenenamento coletivo? Não, pois temos em mãos o tesouro da cultura espírita, e o nosso dever de amor e fraternidade é distribuí-lo a todos.

Em conclusão:

O espírita não tem o direito de acomodar-se na poltrona da fé ingênua e simplória: seu dever é estudar a esclarecer-se quanto aos princípios da sua própria doutrina; a fé raciocinada exige o desenvolvimento das potencialidades da razão, o que só pode ser feito através da instrução; para amar e auxiliar o próximo, o espírita não pode estacionar na ignorância: precisa aprender, adquirir conhecimentos, instruir-se.

Herculano Pires, como irmão Saulo, no livro "O Tesouro dos Espíritas", de Miguel Vives.


  Biógrafo de Chico Xavier escreve sobre vida de Kardec

  Sincromisticismo, parapolítica e matrix na série "Nosso Lar"

  O Jovem Espírita quer saber

  Os principais livros

  Psicologia e Universo Quântico

  Pacto pela inteligência

  Ler é transformar

  Ler e prazer

  O espírita e a cultura

  Meu Ideal Seria Escrever...

  Ícaro Redimido reflete sobre as ilusões da Vida





 Publicado em: 2007-04-10 por admin, última modificação em: 2011-01-03 por admin